Marco Brotto

28 Fevereiro 2016

O curioso caçador de destinos, auroras, aventuras e neve.
Muita Neve.

Por: Larissa Ilaídes

Marco Brotto tornou-se um surpreendente caçador de Auroras Boreais, ou melhor, das famosas Northern Lights. Encontrou as fantásticas luzes verdes do Norte dezenas de vezes e tem proporcionado experiências incríveis para aqueles que se aventuram e o acompanham. Em busca das luzes desde 2008, Marco Brotto tem um dos maiores acervos de fotos profissionais de auroras, já visitou as instalações da Nasa, os centros de pesquisa da Escandinávia e conhece muitas das estradas congeladas dos países do Círculo Polar Ártico.

MARCO BROTTO

Meu intuito é passar adiante tudo que aprendi até aqui. Adrenalina, respeito e gratidão,
sempre.

Viajar para viver. Se existe uma frase para definir nosso caçador de destinos e aventuras, com certeza é esta. Sabe aquele sorriso escancarado no rosto? É raro ver o Marco Brotto sem ele. A animação é ponto forte nas viagens em que vai como guia. Quem já teve o privilégio de participar de algumas das expedições em busca de Auroras, confirma. “A viagem foi mais especial ainda graças às excelentes companhias que eu tive”, conta Juliana Tolfo, blogueira que já esteve com o caçador no Alaska e também na Finlândia e Noruega.

“Viajar com o Marco é a certeza de momentos incríveis, ele conhece os locais que viaja com um olhar muito particular. O dia pode estar chuvoso, triste e parecer perdido, mas ele sempre tira da cartola uma experiência inesquecível”, conta Cezar Fenianos, amigo Anglo-Brasileiro residente em Londres, graduado em TI e companheiro de diversas viagens.

Estar junto de profissionais capacitados faz toda a diferença pois é uma aventura que deve ser guiada por quem sabe. Por isso estar na presença do grande Marco Brotto fez com que eu me sentisse segura, desde a saída do Brasil até a minha volta. Agradeço toda disponibilidade e carinho por tudo que compartilhou nesta aventura“, conta Ludmilla Azevedo, que viajou em 2016.

Nem só de viagens vive o homem

Como muitos viajantes que não negam uma boa aventura, Brotto morou em Firenze, Itália, durante os Anos 90, onde trabalhou em restaurantes da cidade. Apesar de ter iniciado faculdade de Design com 16 anos, foi em terras italianas que aprimorou seu olhar mais brilhante para a estética. E não parou seus estudos, passou também pelos cursos de Historia dell”arte e Administração.

De volta às terras tupiniquins

O retorno ao Brasil foi trabalhoso. Brotto teve comércio de roupas, móveis e também um restaurante. Torcedor do Coritiba Foot Ball Club, foi vice-presidente do time paranaense durante os anos de 1996 a 2000 e lembra com alegria quando o time levantou a taça de Campeão Paranense em 1999, depois de quase uma década em jejum.

Mas como a paixão gelada começou?

 Naquele momento eu não sabia que para ver auroras exuberantes, eu precisaria caçá-las.
Com uma viagem em 2008, em que não viu a Aurora.

Quando viajou para o Vale da Morte (Califórnia, Estados Unidos) com amigos, Fabio Arasanz comentou algo sobre as luzes verdes dançantes da Aurora Boreal. Já na volta para o Brasil, Marco Brotto começou a pesquisar o fenômeno e antes mesmo de descobrir como vê-lo, já estava fascinado.

Com a curiosidade à flor da pele e o espírito de liberdade que corre solto em sua vida, Brotto comprou um pacote de navio para o Alaska, onde imaginava que poderia ver a Aurora da forma mais simples possível: passeando.

Já havia pesquisado algumas informações sobre as luzes verdes quando surgiu um daqueles pacotes imperdíveis de viagem e decidiu, literalmente, ‘pagar pra ver’. Foram 10 dias de navio sem conseguir ver linha alguma, nem ao menos um risco esverdeado no céu. “Foi um fracasso total”, segundo ele.

MARCO BROTTO

A frustração se transformou em paixão compulsiva! Se formos contar agora, o brasileiro caçador de Auroras já foi mais de 20 vezes ao Ártico e já viu a Aurora mais de 100 vezes. Após a primeira viagem, Brotto nunca mais errou a tacada. Se você estiver em uma caçada sem guia à Aurora Boreal, conte com ele! Marco já ajudou muitas pessoas a encontrar as luzes, mesmo que esteja sentado em seu escritório em Curitiba ou em seu apartamento, onde tem um verdadeiro quartel general de caças às Auroras. Quer ajuda? Basta ter uma conexão com a Internet e já ter entrado em contato com o caçador anteriormente. E você não estará sozinho, lá no Ártico, Marco tem amigos que compartilham informações sobre a Dama da Noite.

Como a disposição é um ponto marcante do aventureiro, muitas das vezes ele viaja sozinho a fim de conhecer novas culturas, locais e paisagens. E é por isso que as boas histórias o acompanham. Questionado se conhecia a África, ele respondeu “claro que sim, consegui uma passagem em promoção, andei de carro alugado por quatro dias e quando vi, já estava de volta ao Brasil”. Você iria?

Mas Brotto sabe a diferença entre ‘ver’ e ‘conhecer’ um lugar. Adorador de culturas e costumes, em todas as suas viagens e com tempo disponível, busca desviar os pontos mais turísticos a fim de mergulhar na cultura local e absorver seu habitat.

Afinal, World Sweet World!

Olhares que marcam

Os ângulos e as captações de Brotto já ganharam o mundo. Fotógrafo autodidata, o caçador de Aurora Boreal tem exposto suas fotografias em muitos eventos, inclusive para fotógrafos profissionais. Em 2015, levou o prêmio de 1º lugar Geral no II Concurso Nacional de Astrofotografia (CNDA). No mesmo ano, foi convidado pela Embaixada Real da Noruega para participar da Feira Escandinava, expondo suas fotos do país. Outra exposição que marcou olhares, foi a realizada na PhotoImage, a maior feira de imagens da América Latina. A edição 2016  do congresso Foto Innovation, também contará com uma seleção de fotografias de auroras, expostas para mais de 300 fotógrafos convidados.

O caçador já foi entrevistado por Jô Soares, esteve na Trip TV, na série Papo Reto e em vários outros programas de televisão. Isso além de ter fotos suas publicadas em matérias da Revista Veja, Digital Photographer e em edições internacionais da National Geographic: Itália, Espanha, Japão, Taiwan e Hong Kong

A paixão não tem fim!

Se ele pensa em parar de viajar? Ou dar um tempo? Quando questionado sobre isso, Brotto responde “o que me move é a descoberta, a liberdade, se eu parar de viajar, eu morro. Ver a Aurora, é se renovar, estar energizado e ainda conhecer uma cultura totalmente diferente da nossa”.

Ele não vai totalmente só. As expedições guiadas para encontrar a Aurora Boreal, sejam na tríplice fronteira entre a Suécia, Finlândia e Noruega ou no Alaska são realizadas muitas vezes por ano. Para saber mais, entre em contato: [email protected]

Brotto, também chamado carinhosamente de “Embaixador da Aurora” pela Northern Way, já viu mais de 150 spots de Aurora Boreal e conta suas aventuras aqui no blog.